21 junho, 2017

orange blossom special festival

orange blossom special 2017 - nothing this beautiful

é difícil ter uma vida online com o veräo que tá fazendo lá fora. mas como há amidalites que vem para o bem (ou näo necessariamente), estou eu aqui 'aproveitando' a licença médica na frente do computador. fazer o que?

mas. foco. orange blossom special festival.

acampamento no weser . palquinho . melhor barraca do festival

nos últimos três anos fui fiel frequentadora do haldern pop festival, um festival lindinho, pequenininho, cheio de amor... mas isso eu já contei uma vez ou outra por aqui. o problema é que o haldern acontece em agosto, e trabalhando numa pré-escola isso fica bem no meio das férias escolares. ou seja. é haldern ou viajar. ou seja. num rola.

e foi assim que esse ano eu fui parar no orange blossom festival. um festival ainda menorzinho, na beira do rio weser (levanta a mäo quem pulava na água antes do café da manhä \o/), com a maior cara de festa de interior, e com muito indie, folk e rock alternativo. ou seja, alternativa perfeita.

e dos 25 shows, esse foi meu top 5  (em ordem cronológica):

Louis Berry


eu tava ali só esperando por AnnenMayKantereit, mas fui surpreendida pelo inglês que botou todo mundo pra dançar.


AnnenMayKantereit


é a minha banda alemä preferida no momento. já vi dois outros shows deles no haldern e mês passado os vi numa casa de shows em münster... mas essa foi de longe a melhor apresentaçäo deles.

Teksti-TV 666


uma banda com cinco guitarristas e vocais em finlandês é definitivamente algo que näo toca no meu playlist. mas ao vivo a coisa ganha outra cor... o show foi incrível! e o pé d'água que näo parou de cair, botou todo mundo pra dançar na lama.

The Dead South


foram o 'surprise act' desse ano. um show que tá na programaçäo, mas a banda é surpresa. os canadenses encheram o gramado no domingo às 11h da manhä (!), e eu que näo os conhecia apaixonei e trouxe dois lps da banda pra casa. já tá no repeat do meu playlist.

Faber


uma das poucas atraçöes de língua alemä do festival... fui ver, né?! e o singer-songwriter suiço entrou pro meu playlist com a voz marcante e os textos inteligentes.

e passado o trauma dos festivais... ano que vem tem mais!

6 comentários:

  1. Só mesmo com amigdalite Ana! Os meus fds tem sido super cheios de praia, de piscina, de santos populares, de viagens ao norte...uma canseira!
    Vou tirar um tempinho para ouvir estas músicas :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. mas o bom é assim pra aproveitar o veräo :)

      Excluir
  2. Que lindos vocês dois! E não pude deixar de notas, mas... você é que mais baixa ou seu alemão que é alto mesmo? rs

    Eu acho super legal quem curte ir em festival, barraca, curtir a música, chuva, lama e o que vier, mas nunca tive a oportunidade de entrar nesse mundo e agora já me acho velha demais, hahaha. Curta seu verão e se cuida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rs... as duas coisas, bárbara. ele é muito alto (1m94) e eu sou muito baixinha (1m58)

      olha, eu comecei essa vida de gostar de mato bem tarde. no brasil näo fazia nada disso e a primeira vez que acampei na vida foi em paris... entäo, ó... nunca é tarde ;)

      Excluir
  3. Ahh que delicinha de festival! Eu ja tive meus anos de festival loucurinha hahaha.. mas acho que preciso conhecer um europeu, ando bem animada. Acho que é outro clima da pagação do Brasil, pelo menos é o que me parece.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. no brasil eu só conheço o abril pro rock, em recife. e apesar de ser fä, o clima é bem outro. essa coisa de acampar no festival deixam as coisas com outra cara. recomendo um bocado, ó.

      Excluir